Governo transfere 9 presos envolvidos em massacre de Manaus para presídios federais

AMAZONAS Um grupo de nove detentos do Amazonas embarcou para presídios federais na tarde de terça-feira (28), segundo informou o governo do estado. Ao menos três deles foram levados para a Penitenciária Federal de Brasília. Outros seis foram para Catanduvas, no Paraná. As demais unidades prisionais não foram divulgadas. A previsão é que novas transferências ocorram nesta quarta-feira (29).

Os presos transferidos são apontados como chefes de grupos criminosos envolvidos no massacre que causou 55 mortes dentro de quatro penitenciárias de Manaus devido a brigas internas entre domingo (26) e segunda-feira (27).

A suspeita das autoridades é de que a barbárie tenha sido motivada por uma disputa pelo comando de uma mesma facção. Na noite desta terça-feira, chegou ao estado o grupo da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), que ficará por 90 dias dentro das unidades onde ocorreram os conflitos.

Na manhã de terça, um comboio havia acompanhado o traslado dos presos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) até o Batalhão de Choque da Polícia Militar, local onde eles passaram por exames de corpo de delito.

Após os exames, os presos seguiram para o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. O trajeto até o aeroporto de Manaus recebeu forte esquema de segurança. O embarque ocorreu por volta das 15h30.

Chefes de facção divididos por diferentes unidades

O diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Fabiano Bordignon, afirmou nesta terça-feira (28), em entrevista exclusiva à GloboNews, que o Ministério da Justiça disponibilizou 20 vagas em presídios federais para isolar os lideres do massacre.

A intenção governo é distribuir os chefes da facção em diferentes unidades prisionais do complexo federal.

Novo massacre

A maioria das 55 vítimas do massacre desta semana morreu de asfixia ou golpeada por objeto perfurante. Até esta terça-feira, 16 corpos haviam sido liberados. O massacre é o segundo ocorrido no Amazonas em menos de 3 anos.

Em 2017, os presídios de Manaus já tinham sido palco do maior massacre do sistema penitenciário do estado, com 65 mortes dentro de unidades prisionais — foram 56 casos apenas no Compaj. Naquela época, membros da Família do Norte (FDN) atacaram presos do Primeiro Comando da Capital (PCC) durante uma rebelião que durou 17 horas.

O juiz Glen Machado, titular da Vara de Execução Penal, disse que os novos confrontos ocorreram por causa de uma briga de poder dentro da FDN, que age nos presídios do Norte e Nordeste do país e domina a rota do tráfico no rio Solimões.

“Não se trata de rebelião, mas de disputa interna da FDN”, disse o juiz.

Lista de detentos transferidos na terça-feira

  1. Rivelino de Melo Muller
  2. Adriano Silva Monteiro
  3. Janes do Nascimento Cruz
  4. Jane da Silva Santos
  5. Bruno Souza Carvalho
  6. Anderson Gustavo Ferreira da Silva
  7. Lucirle Silva da Conceição
  8. Adeilton Gonçalves da Silva
  9. Felipe Batista Ribeiro